Vacina será produzida em SP

O Instituto Butantan vai produzir a vacina contra o novo coronavírus, chamada de Coronavac, em parceria com o laboratório chinês Sinovac. A partir do mês que vem, 9 mil voluntários brasileiros serão testados na fase 3, a última antes da aprovação para ir ao mercado, em que se verifica sua eficácia e segurança. Se passar nos testes, a previsão é estar disponível de forma gratuita pelo SUS para toda a população até junho de 2021.

A empresa Sinovac já realizou as fases 1 (se ela cria o antídoto, com dezenas de pessoas) e 2 (se ela é segura, com centenas) de testes com pacientes chineses. A vacina é feita com o vírus inativado Sars-Cov-2 cepa CZ02. O Instituto Butantan, segundo seu diretor Dimas Covas, já fabrica uma vacina contra a dengue utilizando a mesma tecnologia, o que facilita a produção local e em larga escala. 

O acordo com a Sinovac foi assinado ontem pelo governador João Doria. O governo de São Paulo vai investir R$ 85 milhões para a fase dos testes e produção da vacina pelo Butantan.

O anúncio foi feito em uma coletiva marcada pelo otimismo do governador e de seus auxiliares: “Um dia histórico”. Ainda é cedo para dizer. É chamada fase 3 de testes porque ainda são, obviamente, testes. Mas a vacina é promissora, usa uma tecnologia já amplamente dominada, é fácil de produzir e, nós brasileiros, temos experiência em vacinação em massa. Vamos torcer.