Troca na PF: sim, o motivo é político

Bolsonaro teria dito a Moro que quer ter acesso às investigações da Polícia Federal.

“O presidente me disse que quer alguém para quem ele possa ligar e colher informações, ter acesso a relatórios”. Foi uma das frases ditas pelo ministro demissionário da Justiça, Sergio Moro, ao anunciar a sua saída.

Moro ficou sabendo da exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, pelo Diário Oficial da União (DOU) de hoje. O ex-ministro disse que não assinou a saída (como aparece no DOU) e que Valeixo não fez esse pedido. A decisão partiu do presidente Bolsonaro.

Foram muitas as frases impactantes do ex-ministro. “Eu não tinha como aceitar essa substituição, em respeito à impessoalidade e para preservar a autonomia da PF”.

Segundo Moro, a insistência de Bolsonaro em colocar à frente da PF um nome próximo do presidente recebia de volta a pergunta: “Qual o motivo? Se não há motivação técnica, a troca é política”. Bolsonaro disse que sim, segundo Moro.

Moro destacou a preocupação do presidente com processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) – ele não disse quais – e a importância da autonomia da PF, que não teria tido os mesmos resultados na Lava-Jato caso as investigações fossem conhecidas pela Presidência da República. O ex-juiz finalizou dizendo que “a Polícia Federal vai resistir a qualquer interferência política”. Saiu atirando, como se costuma dizer nessas situações.