Suspeita de reação adversa pausa testes de Oxford

A suspensão dos testes da vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford contra o novo coronavírus acendeu um sinal de alerta, mas não é a primeira vez que isso acontece. Os testes na fase 3 da vacina foram paralisados porque um dos participantes teve mielite transversa, uma inflamação que afeta a medula espinhal, segundo o jornal The New York Times.

Embora seja uma rotina, a suspensão causa apreensão por não saber se a vacina tem relação ou não com a doença detectada. A expectativa em relação a uma vacina faz com que eventos comuns no processo pareçam mais sérios do que realmente são. As ações da AstraZeneca caíram 6% no pregão de terça-feira (8). A vacina de Oxford é a principal aposta do governo brasileiro, que prevê desembolsar R$ 1,9 bilhão para imunizar a população.

O secretário de saúde do Reino Unido, Matt Hancock, afirmou que a paralisação foi necessária para analisar mais de perto o caso. Há outras oito vacinas na fase 3 em estudo no mundo, inclusive a da chinesa Sinovac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan em São Paulo.