País só volta a crescer com justiça tributária

Para o Brasil voltar a crescer, é preciso haver mais competição, abertura ao comércio, acesso às tecnologias e justiça tributária. Quem contribui pouco, por exemplo, precisa abrir mão do seu privilégio. Segundo o presidente do Insper, Marcos Lisboa, o País deveria caminhar para a igualdade tributária sobre o consumo, deixando de penalizar a renda dos mais pobres.

Em entrevista ao Estadão, Lisboa entende que deve haver um consenso na sociedade e no governo para que a reforma tributária avance no Congresso. Um dos exemplos da atual distorção citados por ele é o do grupo de pessoas com renda de R$ 50 mil, de uma empresa de lucro presumido, que paga menos impostos do que os trabalhadores formalizados, mas que possuem renda inferior. 

Lisboa critica a gestão pública no Brasil, que arrecada dinheiro para alimentar políticas que não beneficiam o cidadão. Nos últimos 25 anos, o País aumentou a carga tributária em 9% do PIB e o endividamento público, mas não gerou benefícios sociais como o esperado.