Orgânicos crescem 15% em 2019

Pode ser uma boa opção para a agricultura familiar

O setor de orgânicos faturou R$ 4,6 bilhões em 2019, crescendo 15% em relação ao ano passado, segundo estimativas da Organis, entidade que reúne as empresas do setor. É um valor pequeno se comparado à produção agrícola brasileira, que passou de R$ 400 bilhões em 2019. Mas é um crescimento significativo e mostra que parte dos consumidores é sensível aos apelos do setor.

Produtos orgânicos costumam ser mais caros que os não orgânicos. Produzidos em menor escala e sem a possibilidade de usar sementes modificadas, defensivos e adubos químicos, não atingem a mesma produtividade da agricultura convencional. Não é para todo mundo. Um luxo só acessível ao consumidor de maior renda.

Embora muitas vezes seja justificada com argumentos pseudocientíficos, o que é uma pena, demonizando os defensivos, transgênicos e toda a evolução tecnológica na produção de alimentos, a produção de orgânicos é um contraponto importante à produção convencional. 

A agricultura familiar, por exemplo, espremida pela alta produtividade dos grandes produtores, é um setor que pode se beneficiar e muito desse nicho de mercado. E, mesmo em meio aos argumentos falaciosos que seus defensores costumam usar, é inegável que o crescimento do setor acaba incentivando o desenvolvimento de técnicas mais limpas e sustentáveis que posteriormente podem ser incorporadas por todo o agronegócio.