O ex volta a ser atual

Presidente publica decreto que suspende a nomeação de amigo para a PF depois que o STF barrou a escolha.

O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto hoje anulando a nomeação do ex, que volta a ser atual, Alexandre Ramagem, para a direção-geral da Polícia Federal. Confuso? Sim, muito.

Mais cedo o ministro do STF, Alexandre de Moraes, suspendeu a nomeação de Ramagem para comandar a PF. Então, por enquanto, fica assim: o ex diretor da Abin, que o presidente queria na PF, volta a ser diretor da Abin.

Ramagem é amigo do presidente e de seus filhos. Sergio Moro, quando saiu do Ministério da Justiça, contou que Bolsonaro verbalizava o desejo de ter na PF alguém “para quem pudesse ligar” e lhe informasse sobre a atuação da polícia.

Na nossa contagem informal, hoje é o 5º ou 6º dia que o coronavírus divide o protagonismo com uma crise gerada pelo chefe do Planalto.

Sobre a crise da Covid-19 Bolsonaro causou revolta ontem com um “E daí? Lamento, mas não faço milagres”, comentando o recorde brasileiro em mortes pelo coronavírus. É uma crise seguida da outra. E a gente nem fala de todas, para não perder o foco.