O desabafo do presidente da Câmara 

Educação e meio ambiente são de fato os grandes pontos fracos do governo

Está aberta a temporada de caça ao presidente da Câmara. Ele fez ontem duras críticas aos ministros do Meio Ambiente e da Educação. Agora, os simpatizantes desses dois expoentes da ala mais conservadora do governo estão pedindo nas redes sociais o impeachment de Rodrigo Maia.

Em um evento do banco Credit Suisse em São Paulo para investidores, economistas e gestores públicos, Maia disparou: “Eu não sei como é que o governo vai fazer com o seu ministro do Meio Ambiente. Eu acho que, de alguma forma, ele [Ricardo Salles] perdeu as condições de ser o interlocutor. Acho que ele radicalizou demais, não sei se combinado com o presidente ou não.”

Já sobre Abraham Weintraub: “A mesma coisa do Ministério da Educação. Como que faz para o investidor olhar que o Brasil tem um ministro da Educação desse? Nosso país não tem futuro, né? Não tem futuro. Parece um passado ruim, porque conseguiu fazer de um cara desse o ministro da Educação… que construção que nós tivemos”.

Rodrigo Maia tem razão. As áreas do meio ambiente e da educação são os grandes pontos fracos do governo Bolsonaro. Os Realistas, que apoiam a agenda econômica do governo, lamentam muito que ele não tenha um projeto sério para a educação e que suas ações e declarações desastrosas sobre meio ambiente tenham incentivado o desmatamento e dado força ao protecionismo europeu contra o Brasil.