Governo de São Paulo confirma promessa de ampliar ensino integral

Governo de São Paulo confirma promessa de ampliar ensino integral. Orçamento prevê verba menor, mas maior que a da execução deste ano .

A proposta de orçamento do governo do Estado de São Paulo para o ano que vem diminui em quase 6% as verbas para o ensino integral. Mesmo assim, o governo de João Doria confirma a promessa de aumentar o número dessas escolas, de 417 para 517.

O orçamento destina R$ 763 milhões ao programa, R$ 45 milhões a menos que neste ano, segundo a Folha de S. Paulo. A verba serve para pagar gratificação de 75% sobre os salários dos professores do ensino integral. Estudos comprovam que as escolas com esse tipo de ensino têm desempenho muito melhor. 

O governo de São Paulo explicou que o orçamento se baseia na execução do programa em 2019, que foi de R$ 746 milhões. Portanto, o pagamento de pessoal será 2,3% maior no ano que vem. Além disso, os valores podem ser revistos. 

De acordo com a Secretaria da Educação, 500 escolas estariam interessadas em entrar no programa, e será dada oportunidade às áreas mais pobres.

Entretanto, levantamento da Apeoesp, o sindicato dos professores, mostra que ao menos 77 escolas se recusaram a aderir ao regime integral. Muitos professores resistem, apesar da gratificação. Eles trabalham em mais de uma escola, e isso é impossível quando estão numa escola integral.

Essa é uma das principais coisas que tornam as escolas integrais melhores. Professores que trabalham em mais de uma escola têm menos compromisso com seus alunos. Vivem cansados e têm menos tempo para planejar as aulas por causa do tempo perdido no deslocamento entre uma escola e outra. E muitos têm por hábito faltar e apresentar atestados fajutos.