Gasolina, energia e saúde subirão em 2021

O Banco Central projeta que a inflação dos preços administrados, aqueles controlados pela administração pública, aumentará de 0,8% em 2020 para 5,1% em 2021. O IPCA,  índice de preços ao consumidor, ficará em 3,1% nos dois períodos. 

Como a maioria dos preços administrados passa por agências reguladoras, os reajustes dos planos de saúde e da energia elétrica, por exemplo, foram adiados, mas devem voltar a subir no próximo ano com duplo reajuste para compensar as paralisações. O preço dos combustíveis acompanhou a queda do petróleo, mas deve aumentar com a recuperação da economia.

É esperada uma compensação no bolso do consumidor com os itens que já tiveram aumento neste ano, como os do setor de alimentação. São chamados produtos de preços livres, porque não são controlados pelo governo. Os preços administrados nos serviços essenciais representam 25% do IPCA.