Estados ampliam restrições

O estado do Rio de Janeiro permanece com as atuais medidas de restrição até o dia 11. O governador Wilson Witzel vinha adiantando sobre a possibilidade de endurecer as regras de circulação. Ir à praia também continua proibido, mas as areias estão lotadas. 

O fechamento ainda mais amplo do estado, o chamado lockdown, passou a ser considerado também. Segundo a Secretaria de Saúde do estado já são mais de 300 pacientes à espera de uma vaga de UTI. 

Em São Paulo, o governo anunciou que cidades do interior vão passar a receber pacientes da capital. Em meio às notícias nada animadoras, o isolamento social caiu para 47%. O governador João Doria fala semana que vem sobre a prorrogação ou não das medidas restritivas. Tudo indica que na região metropolitana da capital nada muda. No interior, talvez.

No Amazonas o governo do estado determinou que todo comércio em funcionamento forneça álcool em gel e máscara para o cliente que estiver sem. A polícia irá para as ruas para orientar as pessoas sobre a importância de reduzir a circulação.

O prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil, disse que qualquer decisão para amenizar as restrições será baseada nas diretrizes sugeridas pela área da saúde. “Temos condições de abrir o comércio? Baseado em que? No que estamos assistindo no Rio, São Paulo, no Amazonas, no Ceará, em Pernambuco?”, perguntou Kalil.