Educação tecnológica é para poucos

Profissionais com especialização em tecnologia estão em falta. Segundo estudo do Centre for Public Impact, da Fundação Brava e do BrazilLAB, falta capacitação para grande parte da população.

A revolução digital tem um alto custo para os jovens das classes C, D e E. São obrigados a se viabilizar economicamente mas não conseguem se inserir nesse mercado. Os custos dos cursos são altos e as falhas no aprendizado de matemática, a falta de domínio da língua inglesa e o acesso restrito às novas tecnologias mantém esses jovens longe de um mercado de trabalho mais que promissor.

Apenas 46 mil pessoas se formam no setor por ano, nas instituições públicas e privadas, segundo o Inep. O Estado de São Paulo emprega 43% dos profissionais com perfil tecnológico, mas forma apenas 36%.