Dólar sobe, bolsa derrete

O dólar disparou no início desta quarta-feira (28) e chegou a R$ 5,79, a maior cotação desde 18 de maio (R$ 5,80). O Banco Central teve de intervir, com um leilão de US$ 1,042 bilhão, o que freou a disparada da moeda norte-americana. O dólar acumula alta de 1,20% na parcial do mês e tem valorização de 41,8% no ano. 

O aumento dos casos de coronavírus, com novo lockdown da Alemanha, e a declaração de Donald Trump de que não haverá novo pacote de incentivos antes das eleições nos EUA, deixaram os mercados apreensivos. O Ibovespa despencou 3,71% e atingiu 95.908 pontos. As bolsas europeias e americanas também caíram fortemente. 

Os agentes de mercado se deram conta que estavam otimistas demais com o controle da pandemia e com as consequências de uma possível segunda onda, que hoje já é uma realidade na Europa e mostra que, até a aplicação de uma vacina eficaz, nenhum país estará livre do novo coronavírus.