Comunicação falha sobre a Coronavac

O anúncio de que a CoronaVac registrou 50,38% de eficácia global nos testes realizados no Brasil significa que os vacinados têm metade do risco de desenvolver a doença em comparação aos não vacinados. Não é verdade que a CoronaVac produziu anticorpos apenas em metade dos que receberam a vacina.

Do grupo que recebeu o imunizante, 1,8% desenvolveu a doença, sendo que 92% deles tiveram a versão muito leve sem necessidade de atendimento médico e 8% tiveram uma forma leve da doença. O fundamental é que nenhum dos contaminados desse grupo desenvolveu a versão moderada ou grave.

A eficácia de 50,38%, minimamente acima do limite mínimo estabelecido pela OMS e Anvisa, é menos relevante do que saber que em 100% dos imunizados não houve evolução para casos graves e mortes e até mesmo internações.