Boris: Trump é legal, mas sem a Huawei, não dá

Reino Unido e Brasil resistem às pressões americanas para impedir a entrada da gigante chinesa no 5G. Boris Johnson, deu um chega-prá-lá no Donald Trump.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deu um chega-prá-lá no Donald Trump. O presidente americano despachou para Londres o vice-conselheiro de Segurança Nacional, Matt Pottinger, com dossiê para mostrar a ministros britânicos que, ao contrário da avaliação da inteligência do Reino Unido, a entrada da Huawei no 5G ameaça, sim, a segurança nacional.

“A população britânica merece ter acesso à melhor tecnologia”, disse Johnson à BBC. “Queremos instalar banda larga de gigabytes para todo mundo. Agora, se alguém se opõe a uma ou a outra marca, tem de nos dizer qual a alternativa.” 

Nenhum governante é mais próximo de Trump do que Johnson. 

O Brasil está com uma posição parecida, apesar da identificação do presidente Jair Bolsonaro com Trump. O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, disse, em entrevista à agência de notícias Bloomberg: “Um bom parceiro sempre entende as necessidades do outro. Assim como o Brasil não faz exigências sobre quais negócios os EUA fazem com a China, e se afetam ou não nosso agronegócio”.

Amigos, amigos, negócios à parte. É assim que Trump age com os amigos. É assim que os amigos estão agindo com ele.