Big data ajuda no controle do contágio

Cientistas da Universidade Stanford, na Califórnia, estão utilizando dados dos celulares das pessoas para obter conclusões mais precisas sobre o grau de contaminação por covid-19 em cada região. Isso possibilitaria uma gestão sanitária capaz de minimizar os surtos sem destruir inteiramente os negócios locais.

Reunidos pela empresa SafeGraph, os dados são anônimos e rastreiam os movimentos de milhões de pessoas de 57 mil bairros em locais como bares, restaurantes, hotéis, igrejas, academias e lojas nos EUA. Foi observado que a movimentação por bares e restaurantes têm relação direta com a quantidade de contágios em cada bairro um mês depois.

O trabalho também observou que os bairros pobres são mais afetados porque menos pessoas podem trabalhar em casa, sendo forçadas a irem para as ruas. O comércio nessas regiões tem o triplo de público dos bairros ricos e oferecem o dobro dos riscos.