Auxílio de R$ 600 retira 72% da extrema pobreza

O auxílio emergencial de R$ 600 removeu temporariamente da extrema pobreza 72% dos domicílios brasileiros que receberam os recursos, segundo estudo do Ministério da Economia. O critério usado é o de que estão em extrema pobreza famílias com renda mensal de até R$ 89 per capita.

A linha de extrema pobreza adotada pelo governo é mais baixa do que os padrões de organismos internacionais. A ONU considera que está na categoria quem tem renda de US$ 1,90 por dia, ou seja, R$ 304,38 mensais. Mas isso não faz muita diferença, uma vez que a variação do dólar poderia sozinha incluir ou excluir famílias da extrema pobreza sem que tivessem um centavo a mais no bolso. É apenas uma linha conceitual. O importante é saber que muitos brasileiros ainda dependem do governo para necessidades mais básicas, como alimentação e moradia.

Para substituir o auxílio emergencial, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende lançar o programa Renda Brasil. O programa pode aumentar em 40% os valores pagos pelo Bolsa Família e também englobar mais pessoas. Mas, segundo o ministro, para que o programa seja criado, será necessário o corte de outras despesas.