O abismo que há entre a escola particular e a rede pública

Nesta semana, foram divulgados os dados referentes ao exame Pisa realizado em 2018 que comprovam: a desigualdade no Brasil começa na escola

Em matéria de educação, medir e avaliar os resultados do aprendizado é sempre uma boa ideia. E analisar os resultados sob diversos ângulos pode ajudar a enxergar problemas e também soluções. É assim com o exame Pisa, uma das principais avaliações desse tipo no mundo, feita de três em três anos.

O Pisa é coordenado pela OCDE, a famosa “organização dos países ricos”, e avalia estudantes de 15 anos em 79 países. São medidas habilidades em três áreas: leitura, ciências e matemática.

Nesta semana, foram divulgados os dados referentes ao exame realizado em 2018. 

O Brasil, mais uma vez, foi bem mal. Sem novidades até aqui. Mas um recorte destacado pelo Estadão surpreende até quem tem familiaridade com o assunto:

No ranking de leitura, o Brasil ficou com a 57ª posição. O que choca é o seguinte dado: se fossem analisadas apenas as escolas particulares de elite, os estudantes brasileiros ficariam em 5º lugar! Estariam à frente do Canadá, Coréia do Sul, Estados Unidos, Suécia… por exemplo.

Por outro lado, se fossem analisados apenas os alunos da rede pública, desceríamos para o 65o lugar. Lembrando que são analisados 75 países…

É duro.